30 março 2018

Processione degli Incappucciati





Na Itália são inúmeras as celebrações da Semana Santa, que costumam envolver todas as pessoas da cidade, através de muitos rituais e tradições. Porém em Enna há uma das celebrações de maior destaque, que acontece quando todas as Confrarias se reúnem para a procissão e encenação da paixão de Cristo. 




Realizada no Venerdi Santo ou Sexta-feira Santa, a peregrinação na cidade, ao som das marchas fúnebres, é feita com um desfile que reúne 2.500 participantes. Chamada de "Processione degli Incappucciati", a procissão passa pelas principais ruas do centro histórico.




Essa é a melhor época para conhecer a essência e a fé do povo de Enna. A primeira Irmandade dos Incappucciati foi criada em 1261 por monges basilianos junto a camponeses e coletores de impostos. Essa é a irmandade que tem o privilégio de conduzir a urna com o o corpo de Cristo. 




Diversas outras irmandades surgiram durante a Idade Média, mas foi a influência espanhola no século 15/17 que as tornou mais significativas. Nessa época a Sicília era governada pelos espanhóis que incentivaram a criação de confrarias concedendo-lhes prestígio. 

Ao longo dos séculos diversas irmandades foram criadas por diferentes categorias profissionais, tendo todas elas um caráter assistencial de socorrer os pobres, doentes e desamparados desde a Idade Média.




Formada apenas por homens, cada irmandade se distingue por suas insígnias e cores das vestimentas. Na antiguidade eram as irmandades que providenciavam o enterro daqueles que eram condenados à morte.

No domingo da Páscoa todos vão até o topo da Rocca di Ceres, quando é feita a bênção solene dos campos. De volta à Catedral, as imagens que fazem parte das celebrações retornam às suas respectivas igrejas e simbolizam o distanciamento necessário para a conclusão da missão terrena de Cristo que retorna ao Pai...





Related Posts with Thumbnails

Seguidores

Related Posts with Thumbnails

Quem sou

Nascida em Belo Horizonte, apaixonada pela vida urbana, sou fascinada pelo meu tempo e pelo passado histórico, dois contrastes que exploro para entender o futuro. Tranquila com a vida e insatisfeita com as convenções, procuro conhecer gente e culturas, para trazer de uma viagem, além de fotos e recordações, o que aprendo durante a caminhada. E o que mais engradece um caminhante é saber que ao compartilhar seu conhecimento, possa tornar o mundo melhor.